Dedicated Analytical Solutions

18-01-2017

Entrevista CCPR Rações - NIRS DS2500 F

Com mais de 72 anos de experiência atuando no mercado de Leite, Rações e Armazém, desde o início de seus trabalhos a Cooperativa Central dos Produtores Rurais (CCPR) atua com o objetivo de promover a qualidade e oferecer apoio às 31 cooperativas sempre que necessário. Em sua fábrica de rações, localizada em Minas Gerais, a FOSS encontra mais essa parceria levando a CCPR a atingir o próximo passo em seu sistema de análises e controle de qualidade e processo. A seguir compartilhamos a entrevista realizada com o Sr. Amauri Barioni, Gerente Industrial da Fábrica de Rações, e com o Sr. Bruno Moura, Coordenador Técnico da Fábrica de Rações, sobre a satisfação com implementação da tecnologia NIR em sua rotina de trabalhos.

 

1. Qual foi o desafio que levou a CCPR a adquirir o analisador NIRS DS2500 F da FOSS? 

CCPR: Segurança no recebimento de matéria prima antes mesmo da descarga, tempo decorrido entre a chegada da amostra no laboratório e a liberação do lote para expedição, demora no retorno das análises de alimentos volumosos (silagens e forragens) para o cliente, risco de erro das análises químicas por ser um processo manual.

2. Pesquisaram analisadores de concorrentes? Por quê optaram pela FOSS?
CCPR: Sim. Pelo fato do equipamento da FOSS ser reconhecido mundialmente pela qualidade, a questão comercial que se mostrou atrativa, além do prévio conhecimento do equipamento que já era utilizados nas outras áreas da empresa.

3. Nos conte um pouco sobre como era a sua rotina de trabalho antes da instalação do analisador. A fábrica foi reajustada considerando o uso do instrumento NIRS DS2500 F?

CCPR: Todas as análises químicas eram feitas internamente, portanto o grande problema era a demora na apresentação dos resultados. O farelo de soja por exemplo, a análise de proteína bruta, só ficava pronta após a descarga do material, hoje temos condições de avaliar de acordo com o resultado se recebemos ou não a carga, isto nos trouxe segurança para garantirmos a qualidade do nosso produto acabado, uma vez que há bastante variação dos produtos existentes no mercado

4. O DS2500 F atendeu às suas expectativas e as da sua equipe? Explique, por favor?
CCPR: Sim, a facilidade de operação do equipamento, a rapidez no processo nos trouxe o que muitas empresas buscam...eficiência.

5. Como é o trabalho agora que o analisador está instalado?
CCPR: Rápido, facilitando a qualificação dos fornecedores.

6. Seria possivel realizar a produção com precisão, sem o uso do analisador NIRS DS2500 F da FOSS? 
CCPR: Seria, o grande problema é, em alguns casos, o erro humano e a demora nos processos químicos das análises.

7. Como o analisador é utilizado e como ele faz parte da rotina?
CCPR: Utilizado antes da liberação dos lotes produzidos e das matérias primas que chegam na fábrica. Nós também podemos, por exemplo, interromper uma descarga de matéria prima em caso de dúvidas, ou até mesmo a produção. 

8. Quais tipos de benefícios o uso do analisador trouxe para a sua empresa? (Lucratividade, economia, otimização, rotina de trabalho, confiança nas análises, etc...)
CCPR: Economia de mão de obra e reagentes, otimização do tempo, segurança, facilidade para qualificar fornecedores de matéria prima. 

9. Como você avalia os serviços da FOSS prestados em sua empresa?
CCPR: Colaboradores atenciosos que não medem esforços para nos atender da melhor forma possível. 

10. Você faria negócios novamente com a FOSS? 
CCPR: Sim


Equipe CCPR Rações

A FOSS agradece a CCPR pela entrevista e deseja anos de sucesso e parceria.


Conheça mais sobre o analisador NIRS DS2500F aqui




We make your user experience better by using cookies. If you continue on this website you agree to the use of cookies. Read more about cookies here.

×